04/05/2009

Viagem a Los Angeles - parte 6 - Portugueses em Hollywood

Às vezes o mundo mais parece um berlinde do que o enorme planeta que é na realidade. Foi em Los Angeles, em plena Larchmont Avenue, que conheci Américo Silva, então vice-presidente para a área da distribuição de Home Entertainment da Paramount, mas desde sempre português do Porto, emigrado nos Estados Unidos há mais de 28 anos, e com uma passagem profissional pelas Caldas da Rainha há muitos anos atrás. Dei por mim a falar, sem esperar, em plena Los Angeles, da Foz do Arelho, da comida da região e da cerâmica tradicional da minha terra.


No meio de muitas gargalhadas e recordações, ficou bem patente o espírito de solidariedade que dois portugueses têm quando se encontram num ponto distante. Tem razão o provérbio, Portugal é onde um português estiver. E ali fez-se um pequeno Portugal, em jantares e almoços, com ele e outros lusitanos em busca da felicidade na terra do Tio Sam.

Por exemplo, Mónica Cabral é natural dos Açores, mas está em Los Angeles há mais de cinco anos. A adaptação não foi difícil pois o cinema sempre foi o seu sonho. Com o tempo, os contactos vão surgindo e a experiência aumentando. Agora, podemos vê-la num pequeno papel no filme de Adam Sandler, “Não te metas com o Zohan”. Um primeiro pequeno passo para uma grande futura carreira.

Por sua vez, Lia Feitz viveu já em diversas cidades do mundo, mas nasceu também em Portugal. Em Los Angeles é já uma actriz com experiência em TV e teatro. No final de Março fez um dos principais papéis numa versão da peça “Monólogos da Vagina”, que esteve em cena num pequeno auditório junto de Hollywood Boulevard.
A comunidade portuguesa vai crescendo em Hollywood, onde é apreciada pelo seu dinamismo, alegria e criatividade. A questão é porque razão é que as nossas melhores características só aparecem quando estamos fora do nosso país?

Ronaldo, Café e Laranjas

Uma pergunta muito frequente em Los Angeles é “De que país vens?”. Isto porque na terra dos sonhos existem pessoas de todas as nacionalidades, todas movidas pelo mesmo desejo, ver o seu talento reconhecido. Quando respondia que vinha de Portugal, ficava sempre curioso por ver as reacções das pessoas. Cristiano Ronaldo era invariavelmente o primeiro nome a vir à baila. A fama do futebolista português é realmente mundial, tanto que, em plena Disneylandia, duas americanas compravam, mesmo à minha frente, uma camisola com o número sete de Portugal. A seguir, vêm as referências ao café e ao pão português (inteiramente justificadas pois o café e o pão americano não são nada comparados com os nossos) e, de quando em vez, a Eusébio e ao Benfica. Mas a mais estranha referência foi feita logo no avião, por uma agente da Homeland Security, que viajava à paisana para garantir a segurança da viagem. “Portugal? Ahhh... e trazes aí das vossas laranjas? São tão boas!”.

2 comentários:

O Meu Confessionário da Alma disse...

As nossas laranjas? Incrivel...
E cá deitamo-las fora, para comprar espanholas, vou-me calar.
Next.

Rui disse...

Olá!

Eu neste momento também vivo em LA!
É realmente o melting pot, e os Portugueses estão por todo o lado! Ainda no Domingo da Superbowl conheci uma Lusa-descendente amigda da Daniela Ruah e que deu aulas de inglês em Sintra... Há uma comunidade cá que não é bem comunidade visto que nem todos se conhecem ou nem sequer existe um local de convivio mas estamos cá!

abraços