03/03/2008

A sondagem sobre cinema

Acabou o tempo estabelecido para mais uma sondagem aqui no "Depois da Noite". Obrigado a todos os que participaram e responderam à pergunta "Acha que o cinema português algum dia conseguirá a adesão do público nacional?"

Trinta e seis por cento dos votantes é optimista e acredita que, um dia, o cinema português conseguirá um lugar de destaque e fará as pazes com o grande público, levando com regularidade um número de espectadores ao cinema que faça com que esta arte seja auto-sustentável e independente de subsídios.

Também acredito que sim. Mas, para isso, será necessário que o cinema português consiga um difícil equilíbrio entre a qualidade artística (que desde sempre foi a preocupação única dos cineastas portugueses, ainda que nem sempre de forma feliz), a capacidade de focar temas que interessem ao grande público (longe de temas autistas) e de uma forma que contenha também alguma dose de entretenimento.

Um bom argumento, com um enredo forte, uma mensagem interessante e diálogos e personagens inteligentes, é, claro, a base de tudo isto. A seguir, o que há a melhorar é a qualidade das interpretações de alguns actores, que ainda não atingiram o patamar ideal. Quanto à produção, apesar dos meios escassos que existem em Portugal, parece-me que o nível conseguido é, no geral, muito acima do que se podia esperar.

Existem obviamente bons exemplos de filmes bem conseguidos. O meu preferido é o "Jaime", de António Pedro Vasconcelos, uma história tocante, com boas interpretações, alguns diálogos notáveis e uma banda sonora excelente. Mas existem outros bons exemplos de filmes que me parece terem alcançado uma boa qualidade, como "Adão e Eva", "Alice", "Coisa Ruim" e "Tentação", entre outros.

Quanto ao resto da sondagem, o segundo resultado mais votado foi o humorístico "Gosto é do Rambo", mostrando que para muitos o cinema ainda é apenas uma forma de entretenimento puro. E obviamente que também não há mal nisso, desde que não seja essa a única forma de fazer cinema.

1 comentário:

O das Caldas disse...

E acreditas nisso? És 1 optimista!
1 abraço